Planejando uma viagem para Mendoza

27 May 2018

Mais de mil vinícolas em uma cidade. Assim é Mendoza, na Argentina. Como fazer para organizar um roteiro de poucos dias num lugar desses se você também adora visitar vinícolas como nós? Esperamos que este post ajude você com essa missão!

Acabamos de voltar de uma viagem de 5 dias em Mendoza e tem tanta coisa legal para contar e fotos lindas da cidade no outono, que nem sabemos por onde começar este post, mas vamos lá!

Aa planejar a viagem para Mendoza surgiram muitas dúvidas de quais vinícolas visitar, ou melhor, bodegas. Em primeiro lugar, por serem muitas, segundo, por haverem muitos nomes conhecidos para quem gosta de vinho, e, por fim, porque o tempo é limitado e não é fácil fazer muitas degustações num só dia!

Vamos então começar a clarear as ideias de quem está montando um roteiro de viagem para Mendoza. São sim mais de 1000 vinícolas, mas apenas cerca de 10% estão abertas a visitas. Ainda assim são muitas, claro! Então, aí vão algumas dicas para o seu planejamento:

 

1. Dividir por regiões: Existem basicamente 3 regiões de produção de vinho nos arredores de Mendoza: Maipú, Luján de Cuyo e Valle de Uco. Maipú é onde estão as tradicionais Bodegas Lopez e Trapiche, por exemplo. Luján de Cuyo tem muitas bodegas, como as famosas Catena Zapata e a Norton. Valle de Uco é a região mais nova, mais distante e de maior altitude, com paisagens incríveis mais próximas da cordilheira, onde estão a Zuccardi, Andeluna e Salentein, entre outras.

 

2. Pesquisar os horários de funcionamento: as bodegas não funcionam todos os dias da semana. Em geral, as de Luján de Cuyo fecham aos domingos e as do Valle de Uco fecham às segundas-feiras. Portanto, antes de fazer qualquer plano, é essencial entrar no site de cada vinícola e verificar os dias e horários de funcionamento.

 

3. Deixar tempo livre entre uma visita e outra: normalmente, há 3 horários de visita por dia nas vinícolas. Nós também recomendamos escolher 3 vinícolas por dia para conhecer, para não ficar tão corrido e aproveitar melhor. Deixar os horários mais espaçados permite que você se desloque com mais calma entre um lugar e outro e, se sobrar tempo, dá para aproveitar e tirar muitas fotos com as paisagens incríveis da região!

 

4. Aproveitar o almoço para conhecer as vinícolas: não é necessário agendar visita e degustação em todas as vinícolas que você quer conhecer. Sugerimos marcar 2 visitas por dia e 1 almoço, já que, muitas vezes, quando você agenda o almoço, pode visitar também. Quase sempre as visitas tem um custo que você pode "transferir" para o almoço, assim, acaba não saindo caro e vale muito a pena! Além disso, as visitas acabam sendo muito parecidas e, de certa forma, repetitivas.

 

5. Selecionar vinícolas de vários estilos: para aproveitar melhor, já que não dá para conhecer tudo, o ideal é escolher vinícolas grandes e pequenas, tradicionais e modernas, para ver um pouco de tudo e ter uma noção melhor! A seguir, daremos como exemplo as vinícolas que visitamos, o que ajudará a fazer esta seleção. 

 

6. Agendar com antecedência!! Última dica, mas MUITO IMPORTANTE! Não adianta chegar nas bodegas sem agendar, em todas que fomos, você só consegue entrar após falar o nome para o segurança no portão. Se deixar para a última hora, é possível que não consiga vaga. Nós reservamos as visitas cerca de 2 semanas antes, mas na Catena Zapata, por exemplo, não conseguimos, dizem que dependendo da época o ideal é reservar 2 meses antes.

 

Vamos comentar brevemente as visitas que fizemos e os almoços nas vinícolas:

 

Visitas:

 

Vistalba

 

A arquitetura da vinícola se destaca, a cave subterrânea e a sala de degustação são locais muito aconchegantes. Além de 4 vinhos, degustamos 1 óleo de oliva maravilhoso! Para comprar vinhos na loja, acima de 3 garrafas havia 20% de desconto.

 

Mais informações: http://www.bodegavistalba.com/en/

 

Matervini

 

A Matervini é uma vinícola pequena, com capacidade para produzir 20 mil garrafas ao ano, o que, para a região, é considerado pouco.  É tudo novo, o projeto nasceu em 2008, e 100% sustentável! A energia é toda proveniente dos painéis fotovoltaicos e os resíduos orgânicos retornam aos vinhedos como compostagem.

Além da sustentabilidade, a hospitalidade é outro ponto forte. Fomos muito bem recebidos no quintal com a bela vista para a cordilheira.

Nos sentimos em casa mais ainda ao sentar no sofá da sala para a degustação, cuja proposta é  comparar Malbecs de diferentes terroirs. Todos os vinhos da Matervini são Malbecs com pontuação acima de 90 em diversos rankings. Experiência que não podia faltar em Mendoza, não é?

 

Mais informações: https://www.matervini.com/en

 

 

Salentein

 

A paisagem que cerca a Bodega Salentein é maravilhosa.

 

O ponto alto da visita é a “Catedral do Vinho”, uma área da cave em que são realizados concertos beneficentes.

 

Para comprar vinhos na loja, os preços estavam muito bons, com várias promoções.

 

Mais informações: http://www.bodegasalentein.com/en/home.html

 

 

Zuccardi

 

A Zuccardi Valle de Uco foi a vinícola mais diferente que visitamos. A arquitetura e o paisagismo são incríveis, parece que você está em outro mundo! É um lugar muito novo, abriu para visitas em 2016. Fica a quase 2 horas do centro de Mendoza, mas vale muito a pena conhecer!

 

O desafio da família Zuccardi é cultivar as uvas nos diferentes tipos de solo da região. É uma diversidade enorme, pela irregularidade das pedras provenientes da cordilheira, o que faz com que a poucos metros de distância hajam solos de características muito distintas. Por isso, a colheita não é feita de forma linear, mas em áreas em formato de polígonos.

A sala de fermentação possui os tanques de concreto em formato de ovo, tendência em Mendoza. A iluminação natural da sala é outro ponto positivo e mais um motivo para os prêmios que o arquiteto já ganhou por esta edificação.

Todos estes aspectos do solo e dos tanques de fermentação são transmitidos aos vinhos, o que fica bastante evidente na linha Concreto.  Durante todo o percurso, cada lugar impressiona mais que o outro, mas o auge é a adega subterrânea, onde A PEDRA, presente desde a escavação para a construção, fecha a visita com chave de ouro.

 

Mais informações: http://www.zuccardiwines.com/home?idioma=en

 

 

Lopez

 

A Lopez é uma das mais tradicionais bodegas da Argentina. Foi fundada em 1898. Sua produção anual é de 15 milhões de litros. Ainda existe no local um tonel de carvalho francês de 35.700 litros de 1923. Também há um museu com o maquinário usado antigamente na produção de vinho.

Para entender a história do vinho na Argentina, é uma visita bastante interessante. Foi a única que não houve necessidade de agendar e é gratuita.

 

Mais informações:

http://www.bodegaslopez.com.ar/paginas/seccion.php?idioma=en&menuP=turismo&seccion=turismo-actividades

 

 

Almoços:

 

Norton

 

O Restaurante La Vid na Bodega Norton é muito aconchegante e tem opções para todos os bolsos: a la carte, menu do dia, até o menu de 6 passos harmonizados com os vinhos. Escolhemos a la carte e valeu muito a pena. Serviram uma entrada de cortesia com um espumante rosé delicioso! O menu está disponível no site.

Também aproveitamos para visitar a loja, onde degustamos 2 vinhos e compramos com desconto.

 

Mais informações: http://www.norton.com.ar/home/

 

Andeluna

 

Escolhemos almoçar na Andeluna porque queríamos um almoço com vista para os vinhedos e a cordilheira. Não nos arrependemos, foi melhor do que o esperado!

 

É possível almoçar na parte interna do restaurante, que também é linda, ou nas poltronas externas (Menu em los sillones), como fizemos. Uma das melhores empanadas que provamos!! E para acompanhar o almoço, a carta de vinhos tinha descontos de 15 a 20%. Estava tudo excelente!!

 

Mais informações: http://www.andeluna.com.ar/pt-br/inicio/

 

 

Casa El Enemigo

 

Um dos programas imperdíveis para quem vai a Mendoza é almoçar na Casa El Enemigo! Foi uma de nossas experiências mais marcantes desta viagem.

O lugar é muito diferente, é onde mora Alejandro Vigil, enólogo-chefe da Catena Zapata. A decoração é inspirada na Divina Comédia de Dante.

Depois de conhecer o local, o almoço maravilhoso, em que escolhemos uma seleção de vinhos, servidos à vontade. Todos os pratos muito saborosos e as carnes, especialmente, divinas! Para ficar ainda mais especial, o próprio Alejandro apareceu e conversou com a gente sobre os vinhos.

 

A dica é: não marque nenhum compromisso depois! Você vai querer ficar bebendo os vinhos sem pressa!!

 

Mais informações: http://www.enemigowines.com/

 

 

Trapiche

 

Almoçamos no Espacio Trapiche, que tem um menu de 3 passos, harmonizados com os vinhos. Antes do almoço, visitamos a vinícola. Neste caso, foi necessário agendar separadamente a visita e o almoço. Há opções de piquenique e almoço no jardim, mas neste dia como estava frio, apenas o restaurante interno estava funcionando.

Para quem visitava a vinícola, havia desconto de 20% na loja.

 

A Trapiche começou sua história em 1883! Por estar localizada ao lado dos trilhos de trem, escoava a produção para Buenos Aires mais facilmente e foi isso que impulsionou o crescimento da produção vinífera de Mendoza. As barricas literalmente rolavam da bodega para os vagões! O prédio da vinícola em estilo florentino é tombado pelo patrimônio histórico italiano.

 

Mais informações: https://www.trapiche.com.ar/

 

 

Outras atrações:

 

Mendoza não tem só enoturismo. A cidade é maior do que pensávamos, com várias praças, parques e restaurantes. Outros lugares que vale a pena conhecer são:

 

Parque General San Martín

Parque enorme e muito bem cuidado, reconhecido pelos seus portões dourados!

Ótimo para uma caminhada numa tarde de sol no outono!

 

Cerro de la Gloria

Ainda dentro do parque General San Martín, fica o Cerro de la Gloria, com o monumento em homenagem aos 100 anos da travessia da Cordilheira dos Andes pelo exército a comando do general, em busca da independência argentina.

É possível chegar de carro bem próximo dos 980 metros de altitude, depois é só subir um pequeno trecho a pé até o monumento principal. Vale a pena pela vista da cordilheira e da cidade! Pela manhã a visibilidade é melhor, mas também proporciona um belo pôr-do-sol.

 

Avenida Arístides Villanueva

Esta é a avenida mais famosa da cidade, pelos seus bares e restaurantes. É muito agradável para caminhar à noite e as opções gastronômicas são diversas.

 

Potrerillos

Potrerillos é uma localidade a cerca de 1.500 metros de altitude, onde fica o reservatório de água que abastece a cidade de Mendoza, com a água proveniente do degelo da cordilheira dos Andes. A cerca de 1 hora do centro, fácil de chegar, as estradas são boas e a paisagem é sensacional! Imperdível!!!

 

Aconcágua

Seguindo viagem 95 km a diante de Potrerillos chega-se ao Parque Provincial Aconcágua, onde está o monte Aconcágua, o ponto mais alto das Américas e do hemisfério ocidental, com 6.962 metros  de altitude.

 

Não chegamos até lá, pois precisaria um dia todo para fazer este percurso ida e volta e não encaixou no nosso roteiro. Fica no meio do caminho entre Mendoza e Santiago. É um trajeto belíssimo e quem puder fazer, certamente não irá se arrepender!

 

Assim foi nossa passagem por Mendoza, destino fantástico para os apreciadores de vinho! Voltamos para casa já querendo planejar a próxima ida para lá, afinal, tem muito mais vinícolas para conhecer!

 

Esperamos ter ajudado com as informações para quem está querendo viajar para lá e se precisarem mais dicas sobre hospedagem, transporte e etc. é só entrar em contato!

Se este post te ajudou, deixe um comentário!

Compartilhar no Facebook
Please reload

Posts Em Destaque